Entrevista - Grotesque Communion

16 agosto, 2011.

"Sim, somos insanos e causar repulsa é nosso prazer". Perfeita a frase usada pela gravadora Goat Music para descrever esse perverso grupo. O  Grostesque Communion foi formado em 2006 na cidade de Londrina (PR) pelos integrantes do Pactum Malphas (bateria) e Azrael (guitarra) e mais o vocalista Karmaggedom Goat. Com o objetivo de resgatar a antiga e ultrajante sonoridade do Black Metal perpetuada por nomes como Sarcófago e Blasphemy, o Grosteque Communion grava sua primeira demo, a doentia Spawn Of The Undivine. Nesta entrevista, Malphas nos fala sobre a repercussão desse trabalho, o começo do grupo, cena local e outros assuntos interessantes. Confiram! 

Por: Saulo Baldim Gandini


1-) Coven Of Darkness – Hailz Malphas! Como segues? Primeiramente como surgiu a idéia de montar o Grostesque Communion e qual é a intenção do grupo no underground?


Malphas: Hails Saulo, a respeito da sonoridade, Eu e K.G. formamos o Grotesque Communion em 2006 com o intuito de resgatar uma sonoridade até então esquecida dentro do Black Metal e mesclá-la a influências particulares de cada um. Não queríamos iniciar apenas mais uma banda com cara de tributo, mas sim buscar em nós uma sonoridade que caracterizasse algo singular ou próprio. Mas isso é algo que leva tempo, e mesmo que tenhamos ouvido alguns comentários sobre a estranheza que nossas músicas causaram em algumas pessoas acredito que ainda estamos buscando esta sonoridade ainda. Mas para além de toda a parte musical, o que está por trás do Grotesque Communion é o fascínio pelo caos e miséria humana, é nossa forma de retratar e de contribuir para uma mazela espiritual coletiva e para a degeneração de uma visão bela da vida que ofusca o autoconhecimento. Nossa intenção com o underground? Vivemos o underground! Desde sempre houveram bandas que defendem o underground de forma tão fervorosa que chega a parecer uma fantasia. Não existimos para levantar bandeira alguma em relação a grupos sociais, cenas ou qualquer tipo de aproximação com pessoas baseada na apreciação de músicas em comum. Temos nossos contatos e naturalmente outros serão feitos a fim de concretizar interesses de ambos os lados.


2-) Coven Of Darkness –  Grostesque Communion lançou em 2010 a demo Spawn Of The Undivine. Material que particularmente eu achei extremamente fudido. Como foi o lançamento e a resposta dele naquele momento? Vocês ficaram satisfeitos com os resultados obtidos?

Malphas: Sinto-me como se ela tivesse sido lançada há dias atrás, ainda não temos muitas respostas sobre o tipo de impacto que esse material causou. Não somos iludidos para pensar que alcançaríamos grandes feitos apenas com uma demo tape, e esta é apenas uma primeira amostra do que está por vir.  Estamos trabalhando em novos materiais agora. Em relação a nossa autocrítica, fiquei satisfeito sim, principalmente no que se refere à sonoridade que alcançamos logo de início, afinal são músicas que estávamos trabalhando já faz algum tempo em absoluto sigilo, mas quanto à divulgação, acredito que estamos colhendo os frutos somente agora, então é cedo pra afirmar algo mais intenso do que isso.


3-) Coven Of Darkness – Esse material está sendo distribuído pelo selo Goat Music. Como surgiu o contato e qual a avaliação que você faz sobre o trabalho deles?

Malphas: A Goat Music Records é um selo que temos contato desde seu início, Daemon é amigo nosso de longa data, mas dito isso preciso também afirmar que é um dos poucos se não o único selo brasileiro que confiaremos os trabalhos do Grotesque Communion em relação aos lançamos devido à confiança que depositamos nele e também ao fato de discutirmos procedimentos com o selo abertamente. Ele tem um direcionamento que talvez não alcançaríamos com outros selos com um primeiro material, longe inclusive dos selos que são focados apenas em bandas com o mesmo direcionamento que o nosso, e isso nos leva a crer que nossos materiais possam chegar também a lugares e distribuidores que até então não tínhamos acesso. Acredito que mais materiais nossos ainda sejam lançados pela Goat Music. 


4-) Coven Of Darkness – Quais os temas abordados nas letras de Spawn Of The Undivine?  Livros, filmes ou alguma experiência pessoal servem de inspiração na hora de escrevê-las?

Malphas: KG escreve as letras, e elas são baseadas ou inspiradas por todo tipo da leitura, experiências pessoais ou mera observação em relação ao que há de mais imundo e perverso em nós e nas outras pessoas, ou em relação à reação que certos comportamentos provocam nas pessoas ao nosso redor. Tudo que é capaz contaminar e deturpar conceitos de bem, de correto, de sagrado e de admirável estará presente em nossas letras. Quando se aborda o caos como alvo principal devemos ter em mente que tudo isso depende de uma identificação pessoal com conseqüências muitas vezes nada agradáveis a nós mesmos, de um desejo interior de destruição e autodestruição capaz de transformar qualquer um que se aprofunde nisso de forma definitiva.


5-) Coven Of Darkness – Ouvindo o som do Grotesque Communion, ficam perceptíveis as influências de grandes grupos do necrounderground como o velho Impaled Nazarene, Blasphemy e Sarcófago. Gostaria se saber qual a importância desses grupos para o Grotesque Communion e para você em particular?

Malphas: Sim, temos influências destas bandas, mas falando em nome de todos, não nos prendemos a tudo que é relativamente similar ao que fazemos. As três bandas são grandes ícones do Metal Satânico e divisores de água no underground, mas como eu disse acima, estamos tentando buscar algo realmente particular em meio à grande soma de todas as influências particulares entre nós três. Certamente sempre seremos comparados a uma coisa ou outra, isso é inevitável, mas o importante pra nós é sermos autênticos e sabermos filtrar o que é realmente relevante para nós e descartar o que é tendencioso.


6-) Coven Of Darkness – Vocês são naturais de Londrina (Paraná). Qual a sua avaliação sobre a cena de sua cidade? Há colaboração entre as bandas, público e zines locais?

Malphas: A cena em nossa cidade está morta, talvez isso venha se arrastando já há algum tempo, mas eu relutasse em dizer isso abertamente. Não há outro zine voltado ao metal e principalmente ao metal obscuro exceto o nosso ainda na ativa por aqui, não há muitas bandas realizando trabalhos sérios e muito menos um público que se renove ou que se reúna em eventos significativos, que também são raríssimos. Além disso, percebo uma grande mudança no comportamento de outrora que era mais selecionado, a maioria por aqui parece estar dando prioridade a outros estilos musicais, o que não me incomoda tanto já que não nos identificávamos com a maioria dessas pessoas. O que acontece aqui hoje em dia não deve estar muito longe do que acontece em algumas outras cidades brasileiras, o público impressionável de repente se deixou invadir por uma série de nostalgias passageiras de estilos musicais que nunca haviam ouvido falar e enquanto isso a cidade é infestada de bandas ruins e eventos fracos que apenas promovem encontros entre conhecidos locais e entretenimento casual. Patético.


7-) Coven Of Darkness – Malphas, paralelamente ao Grostesque Communion, você toca bateria no Pactum junto com o guitarrista Azrael. Além disso, você edita junto com Karmaggedom Goat o profano artefato Revelações Abissais Zine. Como essas atividades se encontram no momento?

Malphas: Devido aos meus afazeres pessoais tudo anda mais lento hoje em dia. Não paramos com absolutamente nada, mas percebemos que desde que você dá o pontapé inicial as pessoas começam a esperar que você mantenha certa regularidade no tempo entre um lançamento e outro. Enfim, não temos compromissos, trabalhamos como podemos nesses materiais primeiramente voltados aos nossos pensamentos e desejos, e assim que estivermos certos de que aquele é o produto final, aí lançamos. Mas acredito que em breve teremos algo novo sendo lançado.


8-) Coven Of Darkness – Quais são os grupos, filmes e obras literárias que mais lhe chamado a atenção nesses últimos tempos? Alguma coisa para nos recomendar?

Malphas: Sim, vários! Tenho me tornado um cinéfilo nos últimos tempos, filmes e livros são boas formas de ilustrar certos pensamentos mais profundos e também de fazê-lo pensar nas coisas ao seu redor, observá-las sob outro ponto de vista. Há um filme francês traduzido no Brasil como “Sozinho contra todos” que aborda vários tópicos do cotidiano de uma forma bem atípica, uma mensagem bastante niilista, e quanto aos livros, tenho lido muito os fragmentos de Emil Cioran como “Pensar contra si mesmo” e “Silogismos da Amargura” que é uma compilação de citações bastante interessante, há documentários sobre ele na internet, pra quem se identifica com este caminho do caos e do vazio interior é um escritor e tanto. Quanto a música sinceramente não tenho muitas coisas a recomendar, os últimos materiais que realmente me chamaram a atenção foram as demos do Mandíbula, de Portugal e do Cult Of Erinyies, da Hungria, que é bastante estanha. Claro que escutei outras coisas boas nestes últimos tempos, mas são bandas que mesmo no underground já estão com boa repercussão, talvez o Necros Christos seja a mais interessante destas últimas bandas que vem se destacando.


9-) Coven Of Darkness – Qual sua opinião sobre o atentado terrorista ocorrido na Noruega nesses últimos dias?

Malphas: Bom, como demorei pra responder a entrevista, acho que muita gente deve até ter se esquecido desse cara, agora a atenção está voltada para os protestos de Londres, que também já esfriou nos noticiários. Enfim, acho que foi uma prova de que a violência deliberada não está ligada apenas a fatores sociais como muitos jornais disseram após o caso brasileiro em Realengo/RJ, a Noruega era até então um país exemplar no que é relativo à segurança, mas basta uma mente perturbada e logo vemos algo ligado à MORTE estampado em vermelho nas primeiras páginas dos mais importantes jornais ao redor do mundo. A violência, não necessariamente a física, está intimamente ligada a nós humanos, mas algumas pessoas estão mais dispostas que as outras a levar isso até as últimas conseqüências. Eu não sei quais foram as verdadeiras intenções do assassino, mas ele é um destes que levou tudo às últimas conseqüências. Mesmo assim ainda imagino que ele acreditava que iria fazer alguma diferença, e no fim das contas, foi só mais um com breves momentos de fama. As maiores desgraças hoje em dia são apenas notícias.


10-) Coven Of Darkness – Planos futuros, o que podemos esperar do próximo material do Grostesque Communion?

Malphas: Em breve lançaremos um Split 7EP com o Catacumba de Serra/ES, depois disso tentaremos fazer alguns shows, mas ainda não temos planos concretos para gravar um Full-Lenght. Espero ter um pouco mais de tempo livre pra dedicar a shows no ano que vem, mas por enquanto nos limitaremos ao estúdio.


11-) Coven Of Darkness - Okill Malphas, lhe agradeço pela entrevista. Deixo aqui o espaço para seus últimos insultos...

Malphas: Obrigado pelo espaço Saulo, os que estiverem interessados na demo Spawn Of The Undivine, entrem em contato com a Goat Music Records ou conosco. 


Contato: Goat Music Records - www.goatmusicrec.com.br




1 comentários:

André disse...

"Spawn Of The Undivine" é um grande registro, um culto ao Metal Negro!!! Ótima entrevista Saulo, parabéns warbro.

Postar um comentário