Tributo - Sarcófago

30 junho, 2011.

Sarcófago - Na época do clássico INRI

Por: Saulo Baldim Gandini 


   O lendário Sarcófago iniciou suas atividades no maldito ano de 1985, na cidade mineira de Belo Horizonte, onde a cena era uma das mais fortes do país. Wagner “Antichrist” Lamounier era guitarrista e vocalista do Sepultura e permaneceu no grupo por um ano, saindo por divergências musicais. Após este fato, Gerald “Incubus” Minelli convidou Wagner para se juntar ao Sarcófago, que já existia. Com isso estava formada a dupla que levaria a frente o nome Sarcófago. A partir desta época, começaram as famosas brigas com o Sepultura.

   Em 1986, o Sarcófago participou da coletânea Warfare Noise, lançada pela Cogumelo. O grupo participou com as músicas Recrucify/The Black Vomit e Satanás. Além do Sarcófago, esta coletânea contou também com outros nomes da cena extrema mineira da época, como o Chakal, Holocausto e o Mutilator. Nesse trabalho o Sarcófago contou com os serviços de Armando “Leprous” Sampaio (que depois tocou no Holocausto e Mutilator) nas baquetas no lugar de “D. D. Crazy”, mas logo o mesmo voltou à banda.

   O ano de 1987 ficou marcado não só para o Sarcófago, como também para o Metal Extremo, com o lançamento de um dos álbuns mais importantes do estilo no Brasil, o clássico INRI, um divisor de águas no Metal mundial. Composto principalmente por Butcher (um maníaco fã de Discharge e admirador de grupos como Bathory, Sodom e Celtic Frost) e com letras escritas por Wagner (que falavam de sexo, morte, álcool, Satanismo e anti-cristianismo), INRI era doentio do começo ao fim. Músicas como Satanic Lust, Nightmare, INRI e Satanás influenciaram uma geração inteira de bandas, tanto musical como visualmente. Esse visual composto por spikes, rebites, cruzes de ponta cabeça, pentagramas, corpse paint e bullets foi muito criticado na época. Neste álbum o Sarcófago contava com Wagner “Antichrist” (vomits), Zéder “Butcher” (guitarra), Gerald “Incubus” (baixo) e o irmão de “Butcher” Eduardo “D.D. Crazy” (bateria). 

   INRI foi gravado no estúdio JG, onde a maioria das bandas mineiras gravou seus trabalhos na época, por Garguin, Tarso Senra e João Guimarães (baterista do Kamikaze). Vendeu duas mil cópias em menos de seis meses e foi relançado no Brasil em 1991 (CD, com capa azul), 2000 (CD, com a capa original) e 2001 (em LP). Duas versões chamaram bastante a atenção quando lançadas no exterior: a de 1999, lançada pela Pavement Music, com uma capa terrível e que nada tinha a ver com a original e o maravilhoso Picture LP lançado pela Nuclear War Now! em 2004. Esse material trazia um encarte muito caprichado e várias fotos inéditas da época. Alguns relançamentos trazem como bônus, as faixas da Warfare Noise e algumas gravações ao vivo na Argentina. 

   Em 1989, a banda sofreu baixas em sua formação com a saída do guitarrista Butcher e do baterista D.D. Crazy, que foi para o Sextrash. Com isso, Wagner assumiu as guitarras e M. Joker ficou responsável pelas baquetas. Com esta formação, o Sarcófago lançou no mesmo ano o álbum Rotting. Nesta época a banda já tinha seus discos distribuídos na cena européia pela gravadora Music From Nations sendo que, mais tarde, a capa do álbum Rotting foi censurada nos Estados Unidos, pois trazia um desenho da morte beijando je$u$ cri$to. Isso gerou outro problema, pois a gravadora substituiu a capa por uma propaganda anunciando que a banda era formada por ex-integrantes do Sepultura, deixando Wagner furioso. Mais tarde o grupo chegou a processá-los, pois aquilo tinha sido feito sem a autorização da banda.  Fora os imprevistos, Rotting se destacou com as músicas Alcoholic Coma, Rotting, a regravação de Nightmare e a clássica Sex, Drinks & Metal

   Após dois anos, foi lançado, em 1991, um álbum considerado por muitos fãs como o melhor da banda: The Laws Of Scourge. O grupo voltou a ser um quarteto novamente, com entrada do baterista Lucio Oliver e do guitarrista Fábio Jhasko. Nesse álbum os pseudônimos Antichrist e Incubus, de Wagner e Gerald, foram substituídos pelos sobrenomes Lamounier e Minelli respectivamente. A sonoridade deste disco mudou um pouco, pois mostrou uma banda fazendo um Death Metal mais trampado. Esse disco proporcionou ao Sarcófago a fazer sua primeira turnê européia que foi muito bem sucedida! Apesar disso, houve críticas, algumas diziam que o grupo tinha se vendido e que os integrantes haviam virado posers, devido às fotos contidas no álbum. Existe uma história, não confirmada, que os membros do grupo canadense Blasphemy quebraram o LP do The Laws Of Scourge e mandaram para os integrantes do Sarcófago como sinal de descontentamento. Desse álbum saiu à gravação de seu primeiro vídeo-clip para a música Screeches From The Silence.   Neste disco estão as melhores composições da banda, como a já citada Screeches From The Silence, The Laws Of Scourge, Piercings e Prelude To Suicide.

   Na seqüência, o grupo gravou um EP em 1992, chamado Crush, Kill, Destroy que seguiu a mesma linha de som trabalhada no álbum anterior. O nome do grupo voltou a ficar em destaque por causa da polêmica briga com os integrantes do Ratos de Porão. Em um show do Ratos em Belo Horizonte, algumas pessoas da platéia começaram a cuspir na banda, deixando o vocalista João Gordo revoltado. Segundo informações do Sepultura, os responsáveis pelo fato era o grupo Sarcófago. A confusão aumentou quando Walcyr, proprietário da loja Woodstock, convidou o Sarcófago para abrir o show dos americanos do D.R.I. em São Paulo, no lugar do Ratos de Porão. Os integrantes do Ratos invadiram o camarim do Sarcófago e a porrada comeu solta! Até membros do D.R.I. se envolveram na briga, sendo que um cara da equipe técnica deles saiu com um braço quebrado, por causa de uma correntada. 

   Brigas a parte, passados dois anos, o Sarcófago voltou a surpreender com o álbum Hate, apresentando mudanças tanto no som como no visual dos integrantes. Agora reduzido a uma dupla, Wagner e Gerald apareceram com cabelos curtos, mas mesmo assim apresentando um visual agressivo. Sobre o som, a idéia era ser o mais extremo possível e por isso usaram bateria eletrônica, pois segundo eles, nenhum baterista poderia tocar tão rápido. Se por um lado, a banda ganhou em extremismo, por outro, perdeu toda a técnica que tinha conquistado anteriormente. A banda não fez nenhum show para promover o álbum. Em 1995, a coletânea chamada Decade Of Decay é lançada em comemoração aos dez anos de grupo. As músicas foram selecionadas por Wagner e Gerald e contou com músicas de todas as fases da banda, como Nightmare, Satanic Lust, Midnight Queen, Piercings, Hate, etc.

   No ano seguinte, o Sarcófago lançou mais um álbum de estúdio, denominado The Worst. A filosofia da banda continuou intacta e o disco contou mais uma vez com os serviços de uma bateria eletrônica. Desta vez, a proposta do disco não foi tão radical, pois ele não era muito veloz e soou um pouco mais técnico. Não houve divulgação e shows, com isso, o Sarcófago abandonou de vez seu visual e se recusou a aparecer na mídia.

   Em 2000 foi lançado o EP Crust, que contou com quatro faixas, onde a banda retornou com um som violento e com a bateria eletrônica em alta velocidade. O EP também chamou a atenção pela música F.O.M.B.M (Fuck Off Melodic Black Metal) que foi uma crítica às atuais bandas de Black Metal. No ano seguinte, a banda participou com a faixa Satanic Lust para a coletânea de vinte anos da gravadora Cogumelo Records, esta foi a última participação da banda até então. Em 2001, foi lançado um tributo ao Sarcófago, contando com as bandas nacionais e internacionais. São elas: Angel Corpse, Posthumous, Impurity, Calvary Death, Drowned, Satyricon, Descerebration, Lustful, Impaled Nazarene, Lethal Curse, Black Witchery, Mysteriis, Under Threat, Patologic Noise, Mystifier, Conqueror, Exumed e Sextrash.

   No ano de 2006, a gravadora Cogumelo realizou uma grande festa em comemoração aos vinte anos de lançamento da coletânia Warfare Noise, promovendo o Warfare Noise Festival. Nesse festival rolou a participação do Tributo ao Sarcógafo, trazendo três ex-membros do grupo: Gerald “Incubus”, M “Joker” e Fábio “Jhasko”, fora a participação de músicos do Sextrash, Drowned e Lustfull. A reunião, que a princípio seria apenas para esse show, foi prolongada devido aos pedidos dos antigos e novos fãs do Sarcófago. A atual formação conta com Juarez “Tibanha” (vocal, ex-Cirrhosis) substituindo Wagner (que apesar de não participar, acompanhou e aprovou todo o projeto), Fábio “Jhasko” (guitarrista da época do The Laws Scourge), Guilherme Miranda (Krow), Gerald “Incubus” (baixo) e M. “Joker” (bateria). O Tributo fez alguns shows em Belo Horizonte, Uberaba, Rio de Janeiro e no Chile, tocando com o lendário Possessed, mas recentemente tiveram que dar uma pausa nos shows devido a uma cirurgia que o baixista Gerald sofreu na coluna.

   Sarcófago! Uma banda à frente de seu tempo e que sempre será lembrada pelos hellbangers por seu pioneirismo, radicalismo, polêmicas e seu som inovador para época. Eles tornaram-se uma das maiores influências para o Metal mundial. Gravaram vários clássicos, influenciaram vários grupos e nunca seguiram modas durante todos os anos de carreira. "They say that you've born to the eternal kidness... And that was conceived by divine grace... That came to finish with the pervertion and evil... And died on the cross to humanity save... Fuck you,  fuck you,  fuck you  Jesus Christ".


Discografia:

Satanic Lust (Demo) - 1986
The Black Vomit (Demo) - 1986
Warfare Noise I (Split) - 1986
Sepultado (Demo) - 1987
Christ´s Death (Demo) - 1987
INRI (Full-Length) - 1987
Rotting (Full-Length) - 1989
The Laws Of Scourge (Full-Length) - 1991
Crush, Kill, Destroy (EP) - 1992
Hate (Full-Length) - 1994
Decade Of Decay (Compilation) - 1995
The Worst (Full-Length) - 1996
Crust (EP) - 2000

Bootlegs:

Insulters of Jesus Christ
Satanic Christ`s (Demos 1986/87, Rehearsal and Live in 1988) - Darkness And Evil Productions
Sore Catechesis - Live at HMC
Satanic Black Vomit Lust
Rehearsal 02-17-1988 (Bootleg) 5 tracks - 1988
Live in Lima, Peru - 1993
Blasphemies - Live in Buenos Aires - 1994
"Nights in Hell" Warhammer Records - 2001
"Lust for Death" - 2004
"Nazarenus Torment Continues" Nuclear Desecration - 2009
"Desecration of Demos" LP - 2010





0 comentários:

Postar um comentário