Entrevista - Witchtrap

20 maio, 2011.
Line-up Witchtrap


Formado no longínquo ano de 1992, na cidade de Medellín (Colômbia), o Witchtrap é sem dúvida um dos nomes mais importantes do underground sul-americano. Executando um poderoso Thrash/Black Metal, esses colombianos lançaram seu segundo full-length, o massacrante No Anesthesia, sucessor do clássico Sorceress Bitch, lançado em 2002. Nessa entrevista o baterista Witchhammer, nos conta como estão as atividades do grupo, a cena Metal colombiana, o projeto paralelo de Metal Tradicional Nightmare, fora sua admiração pelo Metal brasileiro e sua vontade de fazer uma turnê em nossas terras. (N.E: Esta entrevista foi realizada em 2008 para a primeira edição do Coven Of Darkness)

Por: Saulo Baldim Gandini
Colaboraram: Uriel Juliatti Valle & Bruno Gaspar


1-) Coven Of Darkness: Saudações, irmãos do Witchtrap! É uma honra tê-los em nossas páginas. A banda foi formada das cinzas do Dark Millenium, que tocava Death Metal. Porque vocês decidiram acabar com esse grupo e partir para uma linha totalmente diferente de som?

Witchtrap: Nossas idéias vêm das nossas influências e nós não queríamos mais tocar o quê antes era tocado por todas as bandas, aqui na Colômbia. Então nós surgimos com a idéia de fazer um Thrash/Speed de acordo com nosso gosto e influências.
  

2-) Coven Of Darkness: Há algum registro gravado com o Dark Millenium?

Witchtrap: Sim, eu acho que há somente um ensaio, mas eu preciso ouvir um monte de fitas guardadas para achar esta gravação. (risos)
  

3-) Coven Of Darkness: Depois de duas demos e um EP lançado, somente em 2002 o Witchtrap lançou o seu aguardado debut, o fodido Sorceress Bitch. Porque houve esta demora para sair esse álbum, visto que a banda já tinha um grande potencial nas demos? O Sorceress Bitch foi lançado também em LP, em 2005, por um selo francês. Por que esse "período vazio" entre essas duas versões?

Witchtrap: Bom, o Sorceress Bitch foi lançado em 2002 no formato CD, pela Hell Attack Produções, mas em todos esses anos nós não tínhamos dinheiro para gravar e lançar nossos próprios materiais. A prensagem em vinil veio do interesse da francesa Ordealis Recs e da Utherly Somber Creations, dos EUA. Eles nos informaram quanto ao interesse em lançar em vinil e nós firmamos um acordo com eles. Aqueles anos foram dedicados a divulgar e promover nosso material fora da Colômbia.
  

4-) Coven Of Darkness: Os full-lenghts do Witchtrap foram lançados em formato LP e Picture LP. O que vocês acham desse "novo" mercado que está sendo construído para o vinil, com selos como a Hells Headbangers e Deathtrike lançando materiais de bandas novas a todo o momento?

Witchtrap: É... Você sabe que o formato vinil é bem demandado pelos headbangers por aí, o vinil é como se fosse um objetivo para as bandas, mesmo por que, nem todas lançaram vinil. Isso nos faz orgulhosos e satisfeitos pelo apoio dos fãs e selos por terem nos dado essa chance! Aí vai uma saudação aos selos que apóiam o vinil na cena metal!
  

5-) Coven Of Darkness: Em 2006, vocês lançaram o segundo pertardo denominado No Anesthesia. Como foi o processso de composição e gravação desse trabalho e sua recepção no underground?

Witchtrap: Este álbum foi um trabalho bem mais longo quanto a gravação, coisa que é a realidade para as bandas da Colômbia, pois era um estúdio bem porco, a bateria foi gravada em um estúdio e os outros instrumentos no nosso computador. Nós levamos cerca de seis meses para mixar e masterizar no nosso PC. Nós aprendemos várias maneiras de fazer isso, e isso nos deu experiência para as próximas gravações e tal. Os resultados foram fantásticos e maravilhosos para nós, e nós esperamos que os próximos álbuns sejam mais fáceis que este, mas com melhores resultados. Nós estamos bem satisfeitos com o No Anesthesia, com certeza!

6-) Coven Of Darkness: Quem escreve as letras do Witchtrap? Qual o conceito que vocês querem passar com elas?

Witchtrap: Todas as nossas letras são sobre metal, quero dizer, são sobre bruxaria, apocalipse, feitiços, morte, vingança, guerra, metal, festas, mitos, tudo sobre o Metal e o Rock N’ Roll. Essa é nossa filosofia e jeito de ser como headbangers. Sobre as composições das letras, todas elas são compostas pelo Ripper e por mim, Witchhammer, exceto uma que foi escrita pelo nosso primeiro baixista e membro-fundador Slayerblade, que escreveu “Black Like The Night”.


7-) Coven Of Darkness: Vocês já pensaram em fazer uma turnê pela América do Sul? O que você conhece da cena antiga e atual brasileira?

Witchtrap: O Brasil teve grande influência em todas as bandas da América do Sul, com certeza. Bandas como Sarcófago, Sepultura, Holocausto, Chakal, Vulcano, entre outras, são influências a todos os maníacos aqui na América do Sul. Nos dias de hoje, bandas como Apokalyptic Raids, Bywar, Farscape são boas e eu espero conhecê-los quando começarmos uma turnê pela América do Sul. De qualquer forma, nós ainda não tivemos nenhuma proposta séria para fazê-lo, mas espero que o façamos em breve!


8-) Coven Of Darkness: Vocês são influenciados por Venom, Anvil, Metallica (old), Exciter, Motörhead, além do metal germânico. Algumas pessoas comentam que as bandas antigas são melhores que as novas. Qual sua opinião sobre isso? Para vocês, existem boas bandas atualmente ou as novas são só clichês das bandas antigas? Existe originalidade no metal hoje em dia, isto é, há possibilidade de fazer metal sem se parecer com as bandas dos anos 80?

Witchtrap: Este é um pensamento de muitos headbangers pelo mundo. Eu acho que é difícil dizer que a originalidade foi perdida, você pode ver que várias bandas têm originalidade suficiente, porém, o problema é quando você ouve uma banda de black ou death metal e todos eles têm muitas coisas em comum, muitas soam como o Morbid Angel ou como o Immortal ou Darkthrone. Aí então eu acho que se uma banda soa similar a outra banda de thrash, o quê está errado? Eu acho que o metal nos mostrou todas as vertentes que o metal pode ter, então cada banda é original mesmo quando eles não querem soar originais nem ter a atitude ou o-quê-quer-que-seja de outra banda do passado. Esta é a diferença que nós precisamos entender.


9-) Coven Of Darkness: Como é a cena na Colômbia? Há muitos shows, bandas e bangers por aí? Você poderia nos recomendar alguma banda colombiana?

Witchtrap: Nossa cena é bem similar a outras pelo mundo afora, muitas bandas, muitos fãs, fofocas por todo o lado, boas bandas, bandas ruins, verdadeiros e falsos headbangers. Nossa cena está crescendo ultimamente, eu não sei porquê, mas isso é bem legal, pois os shows estão ficando com melhor produção. Há muitas bandas aqui, mas eu recomendo bandas como Sobibor, Skull, Dirges, Terminal War, Runner Hell, Savage Agression e Legacy. Eles são bem legais e cheios de energia!


10-) Coven Of Darkness: Os mesmos integrantes do Witchtrap formaram a banda de metal tradicional chamada Nightmare, que lançou um debut em 2004. Somos todos maníacos pelo metal tradicional, o Nightmare é um projeto em que vocês fazem o som que vocês curtem, mas que não podem pôr no Witchtrap para não mudar demais? Vocês têm intenção de gravar mais álbuns?

Witchtrap: Nightmare é um projeto do Ripper, e agora é uma banda com credibilidade e fãs suficientes, aqui na Colômbia e fora dela. Cada umas das bandas – Witchtrap e Nightmare – tem seu próprio estilo, som e ideologia. Neste exato momento, nós estamos trabalhando com as duas bandas para gravar um novo álbum de estúdio e esperamos que vocês curtam muito e agitem demais!


11-) Coven Of Darkness: Quais os planos futuros do Witchtrap, além dos re-lançamentos em CD e vinil do Witching Metal e Nightmares Of The Dead?

Witchtrap: Como eu havia lhe dito anteriormente, nós estamos trabalhando em um novo álbum para fazê-los agitarem até seus pescoços quebrarem e tudo que esperamos é que esteja pronto no meio do ano, talvez em Agosto. E aí nós esperamos sair em uma turnê pela Europa, pois recebemos uma proposta de uma agência norueguesa que está interessada em nos levar para tocar lá. Esperamos que isso se torne real, e então começaremos nossa turnê sul-americana, mesmo que as distâncias sejam mais longas.


12-) Coven Of Darkness: Muito obrigado, poderoso Witchtrap! O espaço agora é de vocês, para dizer o quê quiserem!

Witchtrap: Bom, headbangers. É difícil agradecê-los por todo o apoio. Mantenham o jeito rock e metal de ser, e um meio de se fazer isso é apoiando as bandas, comprando material original e começando uma guerra contra a pirataria e contra os falsos que querem foder com as bandas o tempo todo. Matem toda a pirataria e selos de falsos! Continuem maus, feios e metal! Vejo vocês no Inferno! Seu irmão, Witchhammer.        

Contato: Myspace: www.myspace.com/witchtrap666 


                                                                                       

1 comentários:

frantotaldeath disse...

essa e uma ótima banda . s/ mais.

Postar um comentário